Viés de confirmação: entenda os riscos em suas decisões financeiras

Home / Viés de confirmação: entenda os riscos em suas decisões financeiras

Você já ouviu falar sobre o viés de confirmação? Tem a ver com o conceito de finanças comportamentais, que, por sua vez, estuda a forma como lidamos com o dinheiro.

A psicologia estabelece uma série de padrões de comportamento humano para caracterizar condicionantes que moldam o pensamento.  O viés de confirmação é um deles e faz parte da lista dos chamados vieses cognitivos. 

Como todos os outros, ele representa um sério entrave, porque impede quem o adota de refletir e ponderar criticamente. Se aplicado nas decisões sobre finanças, esse padrão pode realmente levar a resultados bastante negativos. 

No entanto, evitá-lo não é tão difícil quanto parece. Veja, neste conteúdo, como fazer isso. 

O que é o viés de confirmação?

Por definição, o viés de confirmação é um desvio de lógica e, por isso, leva a decisões sem qualquer racionalidade. Ele consiste em buscar dados, fatos, tendências ou qualquer evidência de forma aleatória para validar uma crença ou suspeita.

É assim, por exemplo, com as pessoas que apresentam memória seletiva. Nesse caso, elas só se lembram daquilo que confirma algo em que acreditam. Dados que refutam suas hipóteses, portanto, são sempre descartados.

Essa é a raiz para problemas de relacionamento e de trato da informação, como a polarização. É isso que acontece quando uma pessoa radicaliza ao ser confrontada com um argumento que a contrarie.

Não por acaso, essa forma enviesada de lidar com a realidade tem sido constantemente observada em assuntos políticos. Também é comum que ela se manifeste nas decisões que envolvem finanças e investimentos.

Impactos do viés de confirmação em nossas decisões

Essa abordagem, normalmente, está associada ao preconceito, já que é sempre ligada a opiniões e juízos com pouco embasamento. Decidir por esse viés é potencialmente nocivo, porque leva a consequências indesejadas para todos os lados.

É o caso das decisões sobre investimentos feitas sem um critério realmente sólido. Afinal, o viés de confirmação toma como verdade aquilo que a pessoa acha que é, e não a realidade.

Imagine, por exemplo, que alguém acredita que os preços das ações das startups unicórnio vão subir em setembro. No entanto, quando o mês chega, os valores caem por qualquer motivo, contrariando as expectativas.

Se a pessoa que decidiu investir por esse critério enviesado não buscar dados que comprovem essa crença, tenderá a repetir o erro indefinidamente.

Como o viés de confirmação afeta as finanças?

Esse comportamento compreensível -e estranho ao mesmo tempo- também pode se manifestar em assuntos do dia a dia.

Uma compra por impulso pode ser motivada a partir de um raciocínio pautado nesse viés cognitivo. O perigo está no falso conforto que ele representa, já que é muito mais fácil decidir com base em uma única evidência e sem contrapor dados ou provas contrárias.

Por isso, nas finanças, o viés de confirmação tem sempre um alto potencial destrutivo, já que atrapalha o processo decisório, tornando-o demasiadamente simples.

Em assuntos envolvendo dinheiro, nada pior do que decidir sem uma base de conhecimento sólida e informações de fontes variadas.

Outro problema causado é que esse viés encurta o campo de visão para o uso de ferramentas de cálculo ou de mensuração de resultados. Assim, ele deve ser evitado a todo custo por meio de uma postura vigilante a respeito das próprias crenças e atitudes.

Fuja do viés de confirmação com estas 4 dicas

A verdade é que interpretar a realidade é algo muito complexo, já que uma situação pode ser avaliada por diferentes perspectivas. É isso que o cinema tenta mostrar em produções nas quais os vilões não são tão maus assim e os mocinhos também não vêm a ser 100% bons.

Dessa maneira, veja a seguir o que você pode fazer para melhorar a relação com o dinheiro e tomar decisões mais racionais:

1. Questione suas próprias certezas

O viés de confirmação é um desvio que ocorre em função de uma certeza que não pode ser validada, pelo menos não de forma racional ou científica.

Por outro lado, o cérebro humano pode pregar peças, já que é condicionado a trabalhar por mecanismos cognitivos que nos façam evitar o desconforto ou a fadiga.

Isso acontece quando, por exemplo, vivenciamos o fenômeno da pareidolia, que consiste em atribuir significado a coisas e fatos aleatórios, como quando vemos formas nas nuvens. Por isso, só siga suas próprias certezas quando tiver dados realmente confiáveis para confirmá-las.

2. Busque sempre mais de uma fonte

Todo viés cognitivo é, por definição, parcial. Sendo assim, quem se pauta por ele tende a decidir e fazer juízos com base em uma fonte apenas, nem sempre legítima ou de confiança.

Dessa forma, para evitar agir por uma perspectiva enviesada, busque sempre fontes variadas para confirmar uma crença ou suspeita.

3. Evite tomar decisões por impulso ou sob fortes emoções

Além do preconceito, o viés de confirmação se liga fortemente às decisões tomadas por impulso. Trata-se de um grave problema para as finanças, porque leva a consumir sem respeitar um planejamento orçamentário. Logo, decisões tomadas sob efeito de uma emoção mais forte devem ser evitadas a todo custo.

4. Leia e informe-se 

Por tudo que vimos até aqui, conclui-se que o viés de confirmação se caracteriza pela desinformação. Então, para não cair nessa armadilha, o melhor a se fazer é procurar se manter sempre informado e atualizado.

Essa é a proposta do blog Sua Previdência Privada, ser um espaço de difusão do conhecimento e de informação útil. Acompanhe nossos conteúdos e decida com muito mais embasamento.

About Author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *