Plano de ação pessoal: entenda a importância e como fazer o seu

Home / Plano de ação pessoal: entenda a importância e como fazer o seu

O plano de ação pessoal é uma poderosa ferramenta para quem tem objetivos e quer prosperar, não importa em qual área da vida. Afinal, com organização, se torna mais fácil realizar qualquer tarefa, certo?

Quando associada às questões financeiras, a técnica surge como um apoio para a realização de metas e uma aliada para lidar melhor com os imprevistos. Vamos ver, então, como fazer um bom plano de ação pessoal? Siga na leitura!

Plano de ação pessoal: o que é?

Planejamento é a base para o sucesso, porque ele serve como guia e, até mesmo, como um fator motivacional. Ele é especialmente útil quando você não sabe exatamente quais tipos de desafios terá que superar para chegar ao seu destino – seja ele qual for.

Essa é a essência do plano de ação pessoal aplicado às finanças: ser a bússola que vai levar você em direção ao objetivo traçado.

Por que você precisa de um plano de ação pessoal?

Todo objetivo traz consigo, em maior ou menor grau, o desconhecido. Por isso, o plano de ação pessoal é tão útil, afinal, ele permite que você aja pensando no futuro, mas sem comprometer o presente.

Não por acaso, ele deve se dividir em metas menores realizadas em sequência. Por sua vez, elas precisam ser realistas e mensuráveis, como veremos mais à frente.

Benefícios de um plano de ação pessoal

Um plano de ação pessoal elaborado com atenção e sabedoria traz as seguintes vantagens:

  • Guia você ao longo da jornada em direção a uma meta pessoal
  • Reduz as incertezas em relação aos recursos e meios 
  • Garante que objetivos maiores sejam alcançados em um prazo definido
  • Mantém o foco quando aparecem “desvios” no meio do caminho (problemas pessoais, crises econômicas, entre outros).

Plano de ação pessoal: como construir em 5 passos

Sem mais delongas, vamos conferir, então, como tirar do papel aquele projeto que você tem, mas não sabe exatamente por onde começar.

1. Reflita sobre o que vai fazer

Antes de agir, é importante fazer uma reflexão sobre sua própria capacidade de se planejar, respondendo às questões abaixo.

  • Você tem o hábito de registrar o que precisa fazer para alcançar uma meta ou tem apenas a imagem mental?
  • Para ter os recursos necessários, você efetivamente os calcula ou faz apenas uma estimativa geral?
  • Quando traça metas, você prioriza as que são mais realizáveis ou sonha alto sempre?
  • Deixa que outras pessoas respondam pelas suas metas ou determina responsáveis e parceiros para ajudar em cada etapa?
  • Você só foca no resultado final ou entende que as metas “do meio do caminho” têm seu valor?

2. Fracione a meta até onde der

Uma boa analogia em um plano de ação pessoal é construí-lo como se fosse uma escada. Degrau por degrau, aos poucos, você se aproxima do ponto mais alto

Por isso, procure desmembrar seu plano em etapas menores e, assim sucessivamente, até que se tenha uma rotina de tarefas e atividades diárias a cumprir para realizá-lo.

3. Estipule o que fazer para atingir cada uma

Tendo metas menores, será o momento de definir que tipo de ação você deverá colocar em prática para alcançá-la. Lembre-se sempre de, primeiro, determinar o objetivo e, em seguida, vincular a ele a ação para que seja atingido.

4. Associe prazos para conclusão

Um plano de ação serve também para assegurar que uma meta seja atingida em tempo hábil. Por isso, conforme as ações sejam identificadas, estipule prazos realistas para concluir cada uma delas. 

5. Use ferramentas como o 5W2H

Uma boa maneira de facilitar a identificação de metas e associá-las a medidas indispensáveis para batê-las é a ferramenta 5W2H. Ela consiste em levantar respostas para sete perguntas.

5W:

  • What: o que será realizado?
  • Why: por que será realizado?
  • Where: onde será realizado?
  • When: quando será realizado?
  • Who: por quem será realizado?

2H:

  • How: como será realizado?
  • How much: qual é o custo?

4 erros a evitar no plano de ação pessoal

Todo plano é passível de falhas. No entanto, você pode se antecipar e evitá-las, certo? Veja, então, quais são os erros mais comuns ao elaborar um plano de ação pessoal e saiba como se prevenir.

1. Só pensar nos grandes objetivos

Como vimos, o plano de ação serve para que uma meta grande seja atingida por meio do seu fracionamento. Assim sendo, não deixe de valorizar os pequenos sucessos ao realizar metas menores, porque serão eles que o levarão ao ponto mais alto.

2. Não registrar nada

Outro “pecado capital” é confiar apenas na memória para dar conta de todas as ações traçadas anteriormente. O mesmo se aplica na hora de mensurar os custos e de delegar funções, tarefas ou pedir a orientação a outras pessoas. Dessa forma, não deixe de registrar tudo, até as ações mais triviais e rotineiras.

3. Deixar de avaliar os avanços (ou retrocessos)

Todo plano está sujeito a imprevistos e à influência de fatos novos que podem alterar o rumo esperado

Para reduzir as incertezas em função disso, registrar todos os avanços e eventuais retrocessos ajuda a entender o que levou uma etapa a ser cumprida, sofrer atraso ou mesmo ser cancelada.

4. Não ser realista

Como diz um sábio provérbio chinês, “toda grande jornada começa com o primeiro passo”. Portanto, procure avaliar as metas a serem atingidas a partir de onde você está e dos recursos disponíveis. Afinal, é melhor dar um passo de cada vez do que não dar passo nenhum.

Tenha no plano de ação pessoal um ponto de apoio para chegar mais longe e, junto a ele, procure se manter sempre atualizado em relação a finanças. Até porque, quanto mais bem administrados seus recursos forem, maiores são as chances de sucesso, seja qual for o seu objetivo. 

O blog Sua Previdência Privada está ao seu lado nessa jornada. Confira nossos conteúdos exclusivos e garanta uma vida financeira mais tranquila e saudável!

About Author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *