IOF em fundos de investimento e detalhes da tributação

Home / IOF em fundos de investimento e detalhes da tributação

Não dá para ignorar o IOF em fundos de investimento — ou em qualquer outra aplicação financeira, para falar a verdade. Trata-se de um imposto que segue uma tabela regressiva, assim como o Imposto de Renda, mas com um impacto bem mais profundo.

Para você ter uma ideia melhor do que estamos falando, a alíquota do IOF parte de 96% do rendimento. Ficou assustado? Calma: depois de um mês, esse imposto vai a zero, e os fundos de investimento recuperam a rentabilidade.

Quer saber mais sobre o assunto, conhecer a tabela do IOF e descobrir como ele impacta fundos de investimento e outras aplicações? Então siga a leitura.

Tem IOF em fundos de investimento?

Sim, há incidência de IOF, o Imposto sobre Operações Financeiras, em fundos de investimento de diferentes tipos. Uma exceção importante são os fundos de ações, que não contam com essa cobrança.

Mas fundos multimercado e renda fixa, muito populares em cenário de Selic tão baixa, têm a incidência do IOF. A boa notícia é que, a partir de 30 dias, todos os investimentos ficam isentos.

Se puder aguardar esse período, sua rentabilidade será muito maior, afinal a alíquota segue uma tabela regressiva e também agressiva, já que começa em 96%.

E, se você está surpreso com essa cobrança e pensando que estará mais seguro na poupança, um aviso: por lá, é pior ainda. Se em um fundo de investimento você perde parte considerável da rentabilidade em resgates de curtíssimo prazo, na poupança simplesmente não há rendimento antes do “aniversário” mensal do depósito.

Então, respondendo melhor à pergunta: sim, há IOF em fundos de investimento, mas é possível e salutar lidar com ele, desde que você consiga fazer um bom planejamento financeiro.

Tabela do IOF em fundos de investimento

A tabela do IOF em fundos de investimento funciona de forma regressiva. A taxa é predeterminada em função do prazo desde o início da operação, conforme o esquema abaixo:

Número de diasIOF (%)Número de diasIOF (%)
196%1646%
293%1743%
390%1840%
486%1936%
583%2033%
680%2130%
776%2226%
873%2323%
970%2420%
1066%2516%
1163%2613%
1260%2710%
1356%286%
1453%293%
1550%300%

Ou seja, se você quiser resgatar um fundo de investimento renda fixa apenas 15 dias após fazer o aporte, por exemplo, deixará de receber 50% da rentabilidade por culpa do IOF.

Então, para onde correr? Aqui está a má notícia: não há para onde fugir, pois CDBs (Certificados de Depósito Bancário), LCs (Letras de Câmbio) e outros títulos também sofrem a incidência do imposto.

Exceções interessantes são as LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio), mas não se encontram títulos desse tipo com possibilidade de resgate tão rápido.

Além do IOF: tributação em fundos de investimento

Não é apenas o IOF que atrapalha a rentabilidade dos seus fundos de investimento.

A alíquota do Imposto de Renda também varia conforme o tempo de aplicação, entre 15% e 22,5% para a maioria dos fundos de investimento e 35% a 10% para previdência privada.

Basicamente, na tabela regressiva, quanto maior o prazo, menor a incidência de imposto. A exceção fica por conta dos fundos de ações, que são tributados em 15% no resgate, independentemente do prazo.

Os fundos de curto prazo (aqueles cuja carteira de títulos têm prazo médio igual ou inferior a 365 dias) seguem esta regra:

  • Até 180 dias: alíquota de 22,5%.
  • Acima de 180 dias: 20%.

Já os fundos de longo prazo (aqueles cuja carteira têm prazo médio igual ou superior a 365 dias) seguem esta regra:

  • Até 180 dias: alíquota de 22,5%.
  • De 181 a 360 dias: 20%.
  • De 361 a 720 dias: 17,5%.
  • Acima de 720 dias: 15%

E como esses pagamentos são feitos? Além da cobrança no resgate, o Imposto de Renda nos fundos de investimento (com exceções dos previdenciários e de ações) é recolhido semestralmente, sob o apelido de come-cotas.

A dedução é feita automaticamente, no último dia útil de maio e no último de novembro. E essas antecipações no recolhimento fazem uma diferença significativa na rentabilidade dos fundos, já que subtraem valores que ficariam rendendo, possivelmente, por anos.

Entendeu melhor como funciona o IOF em fundos de investimento e como é cobrado o Imposto de Renda nesse tipo de aplicação? Compartilhe este artigo com seus colegas nas redes sociais.

About Author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *