Falecimento no Itaú Previdência: entenda como funciona e como se planejar

Home / Falecimento no Itaú Previdência: entenda como funciona e como se planejar

Fundo-de-previdência-no-Imposto-de-Renda

Quer entender o que ocorre em caso de falecimento no Itaú Previdência? Esse é um aspecto com o qual o investidor se depara ao contratar um plano, no momento de definir a forma de renda que vai receber no futuro.

A transmissão do patrimônio, no caso da previdência privada, pode ocorrer de várias maneiras. Mas sempre é estabelecida pelo titular do plano previamente. Antes de contratar previdência no banco, é importante conhecer o processo.

Neste artigo, descubra como funciona o falecimento no Itaú Previdência em cada situação e como planejar o seu investimento.

Como são os fundos do Itaú Previdência

Antes de considerar o aspecto do falecimento no Itaú Previdência, vamos compreender melhor como são os fundos de previdência privada oferecidos por essa instituição financeira.

O Itaú Previdência oferece fundos variados de baixo, médio e alto riscos, conforme o perfil do cliente. Na instituição, você tem acesso aos dois planos de previdência: o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

A rentabilidade do investimento nos fundos varia de acordo com o plano contratado e com o fundo em si. Também é importante observar os custos cobrados pelo Itaú. O banco oferece taxa zero de carregamento na entrada e saída em qualquer plano de previdência.

Já a taxa de administração varia de acordo com o plano contratado. Além disso, a portabilidade não é cobrada, o que significa que o cliente pode migrar do seu plano de previdência atual para o Itaú sem custos.

Fundos de previdência do Itaú no falecimento 

Nos fundos de previdência do Itaú, o processo de transferência do saldo para o beneficiário em caso de falecimento do titular do plano varia conforme cada caso. Para entender melhor como funciona, conheça os cenários possíveis a seguir:

O que acontece em caso de falecimento na fase de acumulação

A fase de acumulação, ou fase de diferimento, é o período em que o titular realiza aportes para os fundos para que o dinheiro fique rendendo juros ao longo dos anos. Ou seja: é o tempo entre o início do plano e a data prevista para início do pagamento do benefício.

Em caso de falecimento durante essa fase, o saldo do investimento é destinado aos beneficiários, que são definidos previamente pelo titular do plano. O dinheiro é transferido em apenas alguns dias.

O que acontece em caso de falecimento na fase de benefícios

A fase de benefícios é aquela em que o titular recebe o pagamento do benefício sob a forma de renda vitalícia ou temporária. Nesse caso, a transferência dos valores varia conforme a modalidade de renda escolhida pelo titular. Confira o que acontece em cada situação:

Renda mensal vitalícia

Se o titular tiver optado pela renda mensal vitalícia, os pagamentos cessam com o seu falecimento. Sendo assim, os beneficiários não têm direito ao saldo. Os valores ficam com a seguradora.

Renda mensal temporária

Na renda mensal temporária, os pagamentos cessam com o falecimento do titular, ou quando o período de renda contratado chega ao fim. Assim, beneficiários e herdeiros não têm direito ao saldo.

Renda vitalícia com prazo mínimo garantido

Nesse caso, a renda vitalícia tem um prazo mínimo de pagamento escolhido pelo titular. Em caso de falecimento dentro do prazo, o saldo é destinado aos beneficiários do plano.

Renda vitalícia reversível ao beneficiário indicado

Na modalidade, em caso de falecimento do titular, o valor estabelecido na proposta de inscrição é revertido, também de forma vitalícia, ao beneficiário do plano indicado.

Renda vitalícia reversível ao cônjuge com continuidade aos menores

Nesse formato, no caso de falecimento do titular, um percentual da renda é destinado ao cônjuge. Se este, por sua vez, falecer, o saldo é transferido para os filhos e, se forem menores de idade, até atingirem a maioridade indicada no regulamento.

Renda mensal por prazo certo

Na renda mensal por prazo certo, os beneficiários têm acesso ao saldo do investimento até que o prazo estabelecido anteriormente pelo titular se esgote.

Pagamento único

No caso de pecúlio, o benefício é concedido em forma de pagamento único após falecimento ou invalidez do titular.

O que acontece no recebimento do benefício após o falecimento

Nos casos em que há transmissão de valores para beneficiários ou herdeiros após o falecimento do titular, é possível que exista cobrança do Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD). 

Aí, varia conforme o plano. No PGBL, pode haver ou não a cobrança, dependendo do estado. No VGBL, o imposto não é cobrado independentemente do estado.

Vá além dos fundos de previdência do Itaú 

Agora você já sabe o que acontece em caso de falecimento no Itaú Previdência. Mas, antes de contratar um plano de previdência privada, é preciso analisar os fundos e condições oferecidos pela instituição financeira.

A recomendação básica é pesquisar diversas opções disponíveis no mercado. Dessa forma, você pode comparar taxas, gestão e todas as características dos planos oferecidos  — inclusive para determinar a forma de renda desejada no período de pagamento do benefício.

Dê atenção especial para as taxas, como as de carregamento e de administração. Afinal, elas têm uma influência significativa na rentabilidade dos investimentos. E então, a partir da análise comparativa, você pode de fato escolher o melhor investimento.Com essas dicas em mente, inicie o seu mapeamento para começar a investir em previdência privada. Para ficar por dentro desse universo, acompanhe outros conteúdos do blog Sua Previdência.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.