Categoria: Previdência

Home / Categoria: Previdência

Como melhorar a vida financeira, se a todo instante somos bombardeados com publicidade nos incentivando a gastar e a consumir? Ainda, de que forma ter dinheiro sempre disponível, considerando que, no Brasil, o hábito de poupar é tão pouco difundido?

Não existe uma resposta simples para essas questões. No entanto, é possível apontar alguns caminhos, a maioria ligado ao desenvolvimento pessoal. Vejamos, então, por onde começar a trilhá-lo nos tópicos abaixo.

Siga acompanhando!

Como melhorar a vida financeira em 6 passos

Um bom ponto de partida é entender que dinheiro e trabalho caminham juntos. É o que diz a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que em 2019 constatou que 72,5% da renda média domiciliar per capita, no Brasil, vem do trabalho.

Portanto, a imagem até certo ponto hedonista, na qual o sucesso nas finanças está associado a uma vida de luxo e ostentação é um pouco equivocada. Afinal, sem trabalho, não há como custear as despesas básicas, tampouco lazer e diversão.

Confira, a seguir, o que fazer para ter uma relação mais saudável com o dinheiro e extrair dele o melhor que ele pode dar.

1. Seja mais produtivo

Já que trabalho e renda caminham juntos, o primeiro passo para aumentar os rendimentos é elevar a sua própria capacidade produtiva. Você pode fazer isso, basicamente, de duas formas: incrementar o valor pago pelo trabalho que já desempenha ou trabalhar mais no tempo que tem disponível.

Para o primeiro, a solução é investir em formação e em novas competências. Afinal, quanto mais estudo, maior o salário, como mostra os dados deste comparativo realizado pelo IBGE.

Porém, investir em formação leva tempo. Então, em certas situações, a única opção disponível é trabalhar mais.

Nesse caso, a saída é se organizar para realizar o máximo de atividades e tarefas no tempo que se tem. Uma forma de fazer isso é aplicar o método Pomodoro, por exemplo.

2. Desenvolva o autoconhecimento

Hábitos de consumo ruins podem minar as finanças. Esse é, inclusive, um problema de saúde reconhecido pelos médicos e tem até nome: Transtorno de Compras Compulsivas (TCC).

Segundo um artigo publicado no Jornal Brasileiro de Psicologia, esse problema está diretamente ligado a dificuldades financeiras.

Por sua vez, todo vício ou transtorno tem relação com o autoconhecimento pouco desenvolvido. Dessa forma, conhecer a si mesmo é a maneira mais segura, em longo prazo, para melhorar as finanças.

3. Poupe certo

Economizar não é sinônimo de avareza. Por isso, ao guardar dinheiro, hábitos como o velho cofrinho ou o ainda mais anacrônico colchão devem ser abolidos.

Busque guardar dinheiro na poupança, assim, o impacto da inflação pelo menos será minimizado.

4. Invista com sabedoria

O mesmo princípio se aplica na hora de investir. Não basta apenas aplicar no primeiro fundo de renda fixa e esperar as coisas acontecerem. Acima de tudo, procure conhecer a rentabilidade do fundo, os riscos associados e, não menos importante, os seus objetivos.

5. Planeje o futuro desde já

Enquanto estamos produtivos e trabalhando, nada parece nos preocupar. No entanto, é na melhor idade que vamos sentir o peso por não ter nos antecipado às questões econômicas.

Assim sendo, quanto antes você investir em uma renda mensal ou na formação de um patrimônio para uso futuro, mais seguro estará quando resolver se aposentar.

6. Tenha no dinheiro um meio, não um fim

Dinheiro não traz felicidade” – você concorda com isso? A verdade é que, sem dinheiro, é inevitável que surjam problemas e, dessa forma, não há como ser feliz.

Por outro lado, apenas ter dinheiro não garante a felicidade, afinal, o ser humano tem necessidades cuja satisfação não depende do fator monetário. Dessa forma, o melhor mesmo é ter nele um meio e não um fim por si só para ser feliz.

Razões para melhorar a vida financeira

De forma sucinta, veja quais razões você tem para pensar a partir de agora em como melhorar a vida financeira.

Para realizar metas e sonhos

Para quem não tem objetivos, qualquer coisa serve, não é mesmo? Por isso, vincular metas ao progresso econômico é essencial.

Pode ser fazer uma viagem, comprar um imóvel ou garantir uma aposentadoria mais tranquila, por exemplo. Afinal, não há meta em termos materiais que seja alcançada sem os recursos indispensáveis.

Para depender menos de dinheiro

Pode parecer um paradoxo dizer que finanças estáveis servem para reduzir nossa dependência de dinheiro, mas talvez seja essa sua principal razão de ser.

Isso porque não há como melhorar a vida financeira enquanto estamosconstantemente preocupados em ter renda suficiente para pagar as contas e custear as despesas básicas.

Em outras palavras: a liberdade só é possível quando nossa relação com o dinheiro deixa de ser de dependência e passa a ser pautada em escolhas.

Para ter mais tranquilidade no futuro

A insegurança financeira começa quando não sabemos de onde tirar o próprio sustento. Na melhor idade, as incertezas só podem ser eliminadas quando, desde cedo, pensamos no futuro.

Por isso, ao melhorar a sua vida financeira agora, você garante um amanhã mais tranquilo.

Aplique as dicas que você conheceu aqui e certamente suas finanças começarão a entrar nos eixos gradativamente. Continue lendo os conteúdos no blog Sua Previdência Privada para ficar sempre por dentro das melhores práticas financeiras pessoais.

Finanças-comportamentais

Quando o assunto é dinheiro, a regra deveria ser tomar decisões de maneira racional, mas as finanças comportamentais mostram que nem sempre é assim. Aliás, já parou para pensar como as questões emocionais interferem nas escolhas financeiras que você faz? Muitas delas sequer são percebidas, mas geram grande impacto.

Para entender melhor o assunto e descobrir como fugir dessas armadilhas, siga na leitura deste artigo. Conhecer o conceito das finanças comportamentais vai te ajudar a ser mais racional no controle do seu dinheiro.

O que são finanças comportamentais?

As finanças comportamentais são um campo de estudo que busca compreender as decisões que o indivíduo toma sobre como gasta o seu próprio dinheiro. Trata-se de um ponto de encontro entre os campos da Psicologia e da Economia, em que teorias cognitivas são postas ao lado de análise comportamentais.

A área começou verdadeiramente a avançar a partir da década de 1970, com base em dois importantes trabalhos. O primeiro, dos psicólogos Daniel Kahneman e Amos Tversky, deu origem à chamada Teoria da Perspectiva, que questiona a racionalidade dos investidores trazida pelas teorias clássicas.

O segundo trabalho é do economista Richard Thaler, publicado em 1980. Nele, o autor também aborda anomalias não explicadas pelas teorias anteriores. Uma das questões centrais era a incapacidade tida até então em abordar padrões que não se encaixavam no comportamento que seria economicamente racional.

Funcionamento das finanças comportamentais

A mente pode ser mesmo traiçoeira. Afinal, o lógico seria que as pessoas sempre fizessem escolhas financeiras que as beneficiassem. Porém, há momentos em que a irracionalidade toma o controle das ações. Um dos principais focos da área de finanças comportamentais é justamente entender esses equívocos.

Para isso, são utilizadas duas categorias principais: a de heurísticas e a de vieses. O primeiro grupo representa atalhos que o cérebro cria para que as decisões sejam tomadas de forma mais rápida.

Ainda que as heurísticas possam ser positivas no dia a dia, elas também podem acabar levando a decisões equivocadas por simplificar demais o raciocínio.

Já o segundo está relacionado a padrões equivocados de julgamento. Essa categoria é tão importante para entender as finanças comportamentais, que vamos fazer uma análise mais detalhada a seguir.

Os vieses nas finanças comportamentais

Ao falarmos de investimentos, uma decisão enviesada ou tomada de forma automática pode acabar com a sua rentabilidade e até mesmo fazer com que você perca dinheiro. Os vieses abaixo descrevem situações exatas em que isso acontece.

Viés da ancoragem

O viés de ancoragem mostra como a tomada de decisão pode ser influenciada pela exposição a informações prévias, ainda que a sua relevância seja pequena ou nula.

Uma situação comum é desconsiderar o orçamento definido para comprar uma televisão nova ao ver uma promoção anunciada como imperdível, mesmo que ela não se encaixe nas características procuradas.

Entre os investidores, é comum encontrar aquele que decide se ancorar no valor de compra de um papel para tomar a decisão futura sobre continuar com a aplicação ou não — ainda que isso signifique esperar por uma recuperação que não parece possível.

Viés da confirmação

Esse é o tipo de viés que todo mundo já praticou: buscar informações e interpretações que confirmem as suas opiniões e decisões, deixando de lado questionamentos e visões contrárias. Isso acontece quando, por exemplo, você admira uma empresa e decide comprar ações ligadas a ela sem considerar os dados de mercado, ignorando todos os alertas.

Viés do comportamento de manada

O comportamento de manada, como o próprio nome sugere, é a tendência de seguir a maioria, optando sempre pelos consensos.

Mesmo que esse raciocínio possa fazer sentido em algumas situações, ele é extremamente perigoso. Pense na caderneta de poupança: ela ainda é a opção mais conhecida e adotada pelos brasileiros, o que não significa que é a melhor em termos de rendimento.

Viés da falácia do apostador

O viés da falácia do apostador tem origem na falha em entender a interdependência de acontecimentos e qual é a probabilidade de que eles voltem a ocorrer.

Se uma moeda for jogada para cima, a chance de dar cara é de 50%, assim como a de dar coroa. Se por quatro vezes seguidas der cara, isso não significa que existe uma chance maior de dar coroa da próxima vez – por mais que a sensação possa ser a contrária.

Agora, imagine o que isso representa quando falamos de alguém que está de olho na bolsa de valores diariamente.

Como ser mais racional nas finanças?

A principal forma de evitar todas essas armadilhas é manter um bom planejamento das finanças, que evite deixar margem para decisões tomadas de forma irracional.

Pense sempre nas questões objetivas relacionadas às suas resoluções, especialmente no que diz respeito aos benefícios de optar por uma escolha ou outra.

Quer saber mais sobre como tomar as melhores decisões para o seu dinheiro? Acompanhe sempre os conteúdos exclusivos aqui do blog da Sua Previdência Privada!

Life-hacks

O termo é em inglês, mas os life hacks já foram difundidos mundo afora — e, aqui no Brasil, não é diferente.

Criados para facilitar a rotina e descomplicar algumas tarefas do dia a dia, esses truques são muito úteis para quem quer gerenciar o tempo  com mais eficiência e, principalmente, melhorar a produtividade.

Interessado no assunto? Se você também deseja ter seu cotidiano simplificado, continue na leitura deste artigo e conheça diferentes artimanhas que prometem tornar a sua vida um pouco mais fácil.

O que são life hacks?

Em uma tradução livre do inglês para o português, life hacks pode ser definido como truques da vida.

No início, o termo “hack” era usado de forma depreciativa, se referindo aos criminosos virtuais que usavam seu conhecimento em programação e segurança de dados para cometer delitos no ambiente digital.

Contudo, com o passar do tempo, a palavra ganhou outros contornos. Primeiro, serviu para identificar todos os profissionais da área de TI que descomplicavam a linguagem e os códigos computacionais.

Depois, o vocábulo passou a ser aplicado a qualquer pessoa que usa a sua inteligência para facilitar tarefas do dia a dia. Então, surgiram os life hackers, que nada mais são do que aqueles que descobrem e praticam os life hacks.

Para que servem os life hacks?

Life hacks são truques que têm como objetivo tornar a rotina e o cotidiano mais produtivos e descomplicados. A ideia é que essas artimanhas ajudem as pessoas a manter o foco no que, realmente, importa.

A partir de life hacks, portanto, elas conseguem elencar as principais prioridades com uma gestão de tempo mais eficiente. Dessa forma, têm a oportunidade também de melhorar as suas performances e atingir um desempenho mais sustentável.

Benefícios dos life hacks

Para exemplificar como os life hacks podem ser benéficos para sua vida, enumeramos algumas das suas principais vantagens. Confira:

  • Aumento da produtividade;
  • Gerenciamento mais eficiente do tempo;
  • Desenvolvimento de novas habilidades;
  • Investimento na melhoria contínua.
  • Crescimento do estado de flow (concentração profunda no que se está fazendo).

6 life hacks para facilitar a vida

Agora que você já conhece alguns dos principais benefícios dos life hacks, separamos seis truques que podem deixar sua vida mais simples e produtiva. Acompanhe a seguir:

1. Mantenha sua mesa de trabalho organizada

Existem diversos truques para manter seu escritório mais organizado e limpo, o que, consequentemente, ajuda a aumentar a sua produtividade. Use ímãs para unir objetos de metal, como estiletes, tesouras, clips e outros itens. Para agrupar os fios de carregadores e outros dispositivos eletrônicos, elásticos podem ajudar.

2. Deixe suas prioridades em dia

Agora, se o seu problema é esquecer suas obrigações e prioridades com frequência,, um life hack conhecido e muito eficaz é o uso de post-its.

Esses pequenos lembretes adesivos, quando colocados em lugares estratégicos, são mágicos. Fica muito difícil esquecer de qualquer compromisso quando os bilhetes coloridos estão em seu campo de visão.

3. Faça reuniões de modo diferente

Nada pior que aquelas reuniões intermináveis, que pouco agregam e ainda gastam parte vital do seu horário de expediente. Você concorda?

Para evitar que esse encontros demorem mais que o necessário, promova-os em pé. Ninguém consegue ficar muito tempo nessa posição, portanto, os assuntos urgentes serão tratados de forma mais rápida e toda a enrolação deve ficar  de fora.

4. Economize suas tomadas de decisão

Nossa rotina exige que tenhamos que fazer uma série de escolhas, muitas delas que não devem  impactar de maneira decisiva o nosso dia a dia. Por exemplo, pouco importa se você vai usar uma camisa branca ou azul. Ou se o seu vestido é de um modelo x ou y.

Uma boa ideia, nesse caso, é investir em looks parecidos no dia a dia. Dessa forma, você guarda suas energias para tomar decisões que, realmente, fazem  diferença..

5. Comece o seu dia pelas atividades mais trabalhosas

A tendência é que você, ao longo do dia, perca a energia e a disposição em função do cansaço e de fatores externos. Portanto, fica mais fácil lidar com problemas complexos pela manhã, quando ainda existe mais concentração e foco.

Mesmo que seja tentador priorizar as atividades mais prazerosas, deixe-as para o meio e o final da tarde. Inclusive, essas tarefas podem servir como um estímulo ou um prêmio pela sua dedicação anterior.

6. Invista no futuro com a previdência privada

A previdência privada não deixa de ser um life hack, uma vez que facilita uma importante etapa da vida: a aposentadoria.

Por meio desse investimento, é possível estipular uma fatia mensal do orçamento a ser aplicada e, assim, projetar um capital suficiente para a manutenção do padrão de vida, mesmo após o encerramento da atividade profissional.

Para saber mais sobre essa aplicação financeira, tirar suas dúvidas e receber um suporte especializado sobre o tema, acesse a Sua Previdência Privada. Em nosso blog, você tem acesso a conteúdos exclusivos, que vão mostrar como investir na sua aposentadoria pode ser algo extremamente simples e rentável.

Qualidade-de-vida

A qualidade de vida é uma busca constante, fruto das nossas escolhas e dos nossos hábitos. Ela poderia ser resumida a viver bem, mas sabemos que esse conceito tem múltiplas interpretações.

Independentemente de qual seja a sua definição, o importante é aprender como ela pode ser desenvolvida e alcançada. E é exatamente sobre isso que falamos neste artigo.

O que é qualidade de vida?

Ainda que existam tentativas para mensurá-la, como faz o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), por exemplo, a qualidade de vida tem um conceito complexo e relativo.

Da mesma maneira que ela pode significar para você independência e uma boa condição financeira, para outra pessoa pode estar relacionada a ter saúde e estar próximo da natureza. Ninguém está errado. Afinal, estamos falando da perspectiva de cada um sobre o que é viver bem.

Na verdade, o resumo do termo, talvez, seja justamente a junção de todos esses elementos e mais alguns outros: saúde física, mental e financeira, autoestima, contato com a natureza, grau de independência, satisfação profissional e sucesso nas relações pessoais.

Por que a qualidade de vida é importante?

A vida passa rápido demais – e tem passado cada vez mais rápido! Portanto, por que não fazer dessa experiência algo prazeroso e saudável?

É claro que sempre vão haver desafios para enfrentar, mas o seu bem-estar deve ser encarado como uma prioridade. Além disso, a qualidade de vida está atrelada ao sucesso em diversas áreas. Então, ela deve servir como estímulo para um futuro melhor.

8 benefícios de uma vida com qualidade

Para confirmar a importância de focar na sua qualidade de vida, separamos 8 benefícios proporcionados por ela:

  1. Saber aproveitar as pequenas vitórias
  2. Ter saúde financeira
  3. Manter em dia a autoestima e a motivação
  4. Alcançar os objetivos pessoais e profissionais
  5. Construir vínculos pessoais verdadeiros e duradouros
  6. Valorizar o equilíbrio em todas as instâncias da vida
  7. Desfrutar de uma vida mais saudável, com uma alimentação balanceada e prática regular de exercícios
  8. Contar com a tranquilidade necessária para planejar o futuro

Como melhorar a qualidade de vida: 6 dicas

Diante de tantas vantagens, não há razão para não buscar qualidade de vida. Com estas 6 dicas você chega lá. Confira!

1. Trabalhe com algo que te dê prazer

Sua atividade profissional não pode ser vista como algo protocolar e obrigatório, muito menos como um martírio. Se for assim, você nunca vai sentir prazer no que faz e sentimentos negativos serão uma constante em sua vida.

Por isso, é importante trabalhar com a sua vocação. Dessa forma, o seu expediente vai ser mais um período feliz do seu dia.

“Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida”, já dizia o grande pensador e filósofo Confúcio.

2. Priorize a sua saúde

Gostar tanto do trabalho só tem um risco: se tornar um workaholic e dar menos atenção a outras áreas da vida.

A saúde, por exemplo, deve sempre ser uma prioridade. Logo, nada de dar desculpas de estar sem tempo para fazer exercícios físicos, cuidar da alimentação ou realizar exames médicos periódicos.

3. Aprenda a gerenciar bem o tempo

Com o gerenciamento correto do tempo, há horas suficientes em um dia para dar conta de tudo o que há de importante, inclusive, descansar e relaxar.

Saber administrar o tempo é fundamental para a melhora da qualidade de vida, pois torna-se possível elencar prioridades, projetar a duração de cada atividade e, assim, controlar a ansiedade e a procrastinação, por exemplo.

4. Cuide das suas finanças

Ainda que o dinheiro não compre a felicidade, desfrutar de uma boa saúde financeira é essencial para a melhora da qualidade de vida.

A correta gestão do orçamento possibilita o controle eficiente dos gastos, a fuga do endividamento e a aplicação correta dos seus ativos, evitando, entre outras questões, o estresse financeiro, que trazem consequentemente também muitos problemas emocionais.

5. Tenha metas

Para ajudar a cuidar das suas finanças, é importante definir metas. Além de incentivar você a poupar e a investir, elas servem de estímulo para a sua vida. Os sonhos são os grandes combustíveis da qualidade de vida e, cada vez que eles são alcançados, trazem uma maior sensação de plenitude.

6. Planeje o seu futuro

A qualidade de vida também tem muito a ver com a capacidade de encarar o futuro com tranquilidade e segurança.

Garantir a sua aposentadoria por meio do investimento em um plano de previdência privada, por exemplo, pode poupar muito estresse, ansiedade e noites em claro preocupado com o amanhã.

Isso porque estamos falando de uma aplicação altamente rentável e descomplicada que vai garantir a você a manutenção do seu padrão de vida.

Para saber mais sobre a modalidade, acesse a Sua Previdência Privada, tire suas dúvidas e conte com um suporte especializado. Por meio dos nossos conteúdos exclusivos, você vai ter à sua disposição os subsídios necessários para planejar o seu futuro e assegurar a sua qualidade de vida por mais tempo.

Crescimento-pessoal

O crescimento pessoal é, invariavelmente, fruto de escolhas e decisões que tomamos ao longo da vida.

Enquanto há pessoas que aprendem com os próprios erros e, assim, conseguem crescer como ser humano, existem aquelas que, por mais que passem por dificuldades, seguem sem mudar.

Não tem receita de bolo quando se trata de processo de crescimento. Cada um encontra o seu, e isso, se encontrar. De qualquer forma, há “atalhos” que podem levar a uma nova postura diante da vida, dos fatos e das pessoas. Alguns deles nós vamos conhecer a partir de agora. Vamos em frente?

Crescimento pessoal: o que é?

Como já dizia o gênio e físico Albert Einstein, “loucura é esperar resultados diferentes fazendo sempre as mesmas coisas”. Uma frase simples e genial ao mesmo tempo, porque nos leva a refletir sobre a nossa existência e o que fazemos dela.

Também nos induz a encarar uma verdade que pode ser incômoda, mas essencial para começar um processo de crescimento: cada um é responsável pela vida que leva.

Então, se as coisas caminham bem no trabalho, em casa e com os amigos, é um indicador de que as escolhas que vêm sendo feitas estão corretas. Por outro lado, problemas em sequência, dificuldades financeiras e falta de apoio sinalizam que algo precisa mudar.

Assim sendo, o crescimento pessoal implica em manter uma disposição permanente no sentido de mudar (para melhor) a única coisa que está ao alcance de cada um: sua própria atitude e forma de pensar. Esse talvez seja o caminho mais seguro para a felicidade.

Importância do crescimento pessoal

Outra verdade que não parece muito agradável, mas que precisa ser dita é que não há crescimento pessoal sem alguma dor envolvida. Já ouviu a expressão “as dores do crescimento”? É bem por aí.

Por isso, por mais desconfortável que o processo possa ser, o crescimento pessoal é indispensável. Afinal, ele é a chave para um futuro melhor e a realização de metas, das mais simples às mais ambiciosas.

Como crescer como pessoa: passo a passo

Crescer como pessoa é provavelmente o primeiro passo para progredir na vida profissional, nos negócios e nos relacionamentos. No entanto, é preciso ter cuidado para saber separar as coisas.

Uma carreira bem-sucedida ou riqueza não estão diretamente relacionadas com o crescimento pessoal, embora possam vir a partir dele. Afinal, retorno financeiro é algo que depende de muitos outros fatores. Dito isso, veja o que você pode fazer desde já para ser uma pessoa ainda melhor.

1. Aceite o que não pode ser mudado

Embora pareça um convite à acomodação, aceitar o que não se pode mudar é o melhor a fazer para viver bem em um mundo cheio de nuances e ambiguidades. Isso significa conhecer os próprios limites e compreender que existem coisas e circunstâncias cuja mudança não está ao nosso alcance.

A partir disso, você terá uma nova visão sobre as pessoas e, principalmente, da sua própria maneira de lidar com situações perturbadoras ou muito difíceis.

2. Admita os próprios erros

Quando nos “blindamos” na redoma do orgulho, nos fechamos para ouvir novas ideias, opiniões e pontos de vista. Pessoas engajadas com o seu crescimento admitem que falharam e tiram dos seus erros algum aprendizado.

3. Esteja sempre disposto a aprender

Por falar nisso, não existe crescimento dissociado da aprendizagem. Uma das fontes para isso acabamos de conhecer: os próprios erros e falhas. Além disso, é fundamental buscar o conhecimento na experiência de outras pessoas, nos livros e, claro, na internet – como você está fazendo agora mesmo.

3 erros a evitar no seu crescimento pessoal

Já conhecemos alguns dos facilitadores que levam a crescer como pessoa. Mas e os dificultadores, quais seriam? Destacamos três obstáculos, entre tantos existentes.

1. Criar muitas expectativas

Pessoas falham, instituições erram e empresas nem sempre são aquilo que gostaríamos que fossem. Considerando essas verdades, não faz muito sentido criar expectativas demais sobre as coisas, concorda?

Por outro lado, isso não quer dizer que você deva permanecer apático e insensível, mas sim não perder de vista que ninguém é responsável por cumprir as expectativas que nós mesmos criamos.

2. Tentar modificar pessoas e fatos

Muitos dos problemas de relacionamento acontecem quando as pessoas tentam, ainda que bem-intencionadas, mudar quem está mais próximo. O mesmo acontece quando um colaborador insatisfeito com uma empresa passa a se comportar de forma rebelde ou pouco compromissada com a organização.

São manifestações de um comportamento que só atrapalha o crescimento pessoal. Por outro lado, como fazer então para lidar de maneira mais tranquila com aquilo que nos perturba?

3. Não fazer a própria parte

A grande verdade é que a única coisa que podemos mudar é a nossa própria atitude perante a vida e as outras pessoas. Ou seja, quando nos ocupamos apenas em fazer nossa parte, estamos dando um passo decisivo em direção ao crescimento pessoal.

Mude e o mundo mudará com você. Experimente colocar essa ideia em prática. Essa é a missão do blog Sua Previdência Privada, ser um canal de difusão do conhecimento para ajudar você a se desenvolver em todos os sentidos.

Metas familiares

Traçar metas familiares pode ser o ponto de partida para a realização daquele projeto com o qual você e sua família sonham há tempo, mas nunca tiveram oportunidade de tirar do papel.

Como já dizia a famosa canção de Raul Seixas: sonho que se sonha só não passa disso. Para torná-lo real, nada melhor do que trabalhar em equipe, e se esse time for a sua própria família, as chances de alcançar o sucesso aumentam ainda mais.

O pontapé inicial para começar um projeto familiar você está dando agora, ao ler este conteúdo. Vá em frente e saiba como prosperar nesse sentido.

Metas familiares: o que são?

Embora possam em alguns contextos ser sinônimos, metas e objetivos são conceitos ligeiramente distintos. No nosso caso, as metas familiares referem-se a projetos mais específicos de realização em família.

Sendo assim, são incontáveis as possibilidades de fins a que você e seus familiares podem se dedicar. Veja exemplos:

  • Comprar um carro
  • Adquirir a casa própria
  • Fazer uma viagem
  • Pagar os estudos dos filhos
  • Um passeio em um fim de semana
  • Uma câmera fotográfica nova.

Como visto, uma meta não precisa ser, necessariamente, algo muito grande ou complexo de se conseguir. Quem define o que será atingido é você e os seus entes queridos.

Importância das metas familiares

Como bem observa o título da mais famosa obra de Gustavo Cerbasi, Casais Inteligentes Enriquecem Juntos. No livro, o autor desenvolve toda uma teoria em torno de uma ideia simples e verdadeira: os problemas de relacionamento, em muitos casos, começam em função de problemas financeiros.

Na maioria dos casos, só se resolve falar de questões envolvendo dinheiro e finanças quando a “bolha” já explodiu. E aí já não resta muito a ser feito. Assim, ter metas é a maneira mais inteligente para evitar o desgaste nas relações a dois ou em família, além de criar aproximação entre os membros.

Uma família que dialoga entre si e expõe claramente o que pensa e o que quer da vida, tende a ser mais próspera, porque todos cooperam para a felicidade dos outros. Para isso, as metas familiares representam a consolidação do núcleo familiar, que tende a se fortalecer cada vez mais.

Metas x futuro da família

Outro ponto essencial que ressalta ainda mais a importância das metas familiares é o fato de que elas pavimentam o caminho em direção ao futuro.

Pais responsáveis devem pensar desde sempre na segurança dos filhos e das gerações seguintes. Do pensamento à ação, as metas representam a materialização de projetos de curto e longo prazo. Ou seja, definir metas é responder como vai ser o futuro para que ações sejam determinadas agora.

Como definir metas familiares em 4 passos

A realização de um projeto demanda tempo e, por isso, requer uma certa dose de disciplina e autocontrole. Pode até parecer algo difícil, mas, com a prática, planejar em família é algo bastante prazeroso e educativo.

Afinal, é muito gratificante sentir que é possível tirar do papel nossas ideias, sonhos e aspirações, não é? E, em família, essa passa a ser uma possibilidade bem mais palpável.

Veja, a seguir, como definir metas e o que fazer para colocá-las em prática.

1. Determine objetivos comuns à família

Imagine que o filho caçula precisa de um aparelho ortodôntico, mas a família não tem uma folga no orçamento que permita custear o tratamento. Não seria melhor se todos da família se envolvessem e contribuíssem para alcançar um objetivo tão importante? Dessa forma, o problema de um passa a ser o de todos.

Esse é o ponto de partida ao definir metas familiares que envolvam a todos em sua realização.

2. Calcule o valor a alcançar

Uma vez que a família tenha uma meta, será hora de pegar a calculadora para saber o montante necessário para batê-la.

Se esse valor estiver dentro do orçamento e puder ser financiado com recursos próprios, ótimo, a questão estará resolvida. Mas se o valor exceder a capacidade de pagamento com a renda familiar disponível, então será preciso fazer modificações no orçamento.

É nesse momento que cada um deverá dar a sua contribuição em nome de uma causa maior.

3. Organize o orçamento mensal

Voltando ao exemplo do aparelho, vamos supor que a família precisará poupar R$ 1.000,00 por 12 meses. Nesse caso, a primeira medida que pode ser tomada é cortar gastos supérfluos.

Imaginemos que a família gaste cerca de R$ 250,00 mensais com pedidos de comida. Uma boa alternativa é eliminar a despesa e passar a fazer refeições mais caseiras. Dessa forma, ¼ do montante necessário já estaria garantido.

4. Controle e faça ajustes

Imprevistos acontecem o tempo todo e, por mais que nos esforcemos em nos organizar, na maioria das vezes eles nos pegam de surpresa. Dessa forma, as metas familiares deverão ser constantemente revisadas e reajustadas conforme a necessidade.

Com o tempo, você verá que pode até ser divertido traçar planos em família e realizá-los juntos. Aqui no blog Sua Previdência Privada, você fica sempre bem informado, com dicas e orientação para melhorar sua saúde financeira e ter uma vida mais tranquila e segura.

Metas de casal

Viver a dois é um constante aprendizado, e, nesse sentido, estipular metas de casal é uma das melhores formas de manter a chama de uma relação sempre acesa.

Como bem observou Gustavo Cerbasi em seu best-seller, Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, quando um casal se une em prol de objetivos comuns, nada pode detê-lo. No entanto, a vida conjugal é cheia de desafios e é normal que divergências aconteçam.

Como fazer, então, para que pontos de vista diferentes não tomem proporções maiores e impeçam um casal de prosperar? Essa é a pergunta que buscamos responder neste conteúdo. Acompanhe até o final, você e seu parceiro só têm a ganhar.

Metas de casal: o que são?

Já que destacamos a grande obra do escritor Gustavo Cerbasi, vale ressaltar a ideia central desse verdadeiro guia sobre finanças.

De acordo com o autor, a maior parte dos problemas financeiros têm origem em uma questão muito simples: a falta de diálogo. Ou seja, é a ausência de comunicação que leva uma relação a ruir, e isso tem tudo a ver com a escassez de dinheiro e até com a sua sobra.

Tomando essa ideia como ponto de partida, ter metas de casal pode ser uma boa forma de solucionar dois problemas ao mesmo tempo: a falta de dinheiro e de diálogo.

Por que é preciso definir metas em casal?

Embora batido, o ditado “a união faz a força” tem o seu valor. Uma pessoa que reclama seus direitos, por exemplo, jamais terá representatividade enquanto outras não se juntarem à sua causa.

Essa lógica se aplica à vida conjugal. Ou seja, se cada um remar para um lado, no final, ninguém sai do lugar. Dessa forma, para realizar sonhos e alcançar a felicidade, definir metas e objetivos em comum é fundamental.

4 passos para estabelecer metas de casal

Confira nos próximos tópicos como você e seu companheiro ou companheira podem começar desde já a traçar metas em conjunto e, assim, fortalecer ainda mais a relação.

1. Intensifique o diálogo

Cerbasi não dá tanta importância à conversa em seu livro por acaso. Melhor do que qualquer um, ele sabe muito bem que, onde não há comunicação, não há progresso.

Assim sendo, o primeiro passo que o casal deve dar no sentido de evoluir na relação é procurar o diálogo com a maior frequência possível.

Dica: por mais que pareça faltar assunto, na comunicação não há nada que a simples pergunta “como foi seu dia?” não ajude a resolver.

2. Esteja disposto a fazer concessões

É muito normal (e até desejável) que casais tenham perspectivas e modos de ser e pensar diferentes. Por outro lado, essas divergências não precisam levar cada um a se entrincheirar em suas convicções e, assim, abrir mão de um entendimento.

Em outras palavras: é possível prosperar juntos, mesmo que o seu parceiro ou parceira não pense da mesma forma que você. Tudo vai depender da sua boa vontade em fazer concessões e, sempre que possível, abrir mão das suas próprias certezas em nome de um bem maior.

3. Procure entender o ponto de vista do outro

Empatia é o atributo que um ser humano apresenta quando se mostra capaz de se colocar no lugar do outro, tomando para si suas dores e expectativas.

Na vida a dois, esse talvez seja o ponto mais importante a se desenvolver e, por isso, é indispensável quando se busca estabelecer metas de casal.

4. Encontre objetivos comuns

Uma vez que os canais de diálogo estejam sempre abertos, o casal terá, então, as condições básicas para enfim chegar a um denominador comum sobre os objetivos que serão alcançados juntos.

E se você e a pessoa ao seu lado não sabem bem por onde começar, veja a seguir algumas sugestões.

Exemplos de metas de casal

O que não faltam são exemplos de metas de casal que podem ter início hoje mesmo. Com muita conversa e planejamento, veja o que vocês poderão conquistar ao juntar forças.

Viajar juntos

Não há quase nenhum problema que uma viagem para aquele lugar encantador não ajude a solucionar. Além de ser uma terapia, essa é uma maneira de estreitar ainda mais os laços que unem o casal, que passará a ter uma experiência inesquecível para contar aos filhos e netos no futuro.

Comprar um bem

Uma casa, um carro ou uma nova mobília são exemplos de bens que podem exigir alguma capacidade de poupar e de fazer um planejamento. Embora você possa escolher à vontade, quanto mais necessário for esse bem para o casal, maior será a sensação de realização e, assim, a relação ganhará novo fôlego.

Fazer um curso

Além de investir na relação, o casal pode também fazer o mesmo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, matriculando-se em um curso ou em uma graduação. E se ambos trabalharem na mesma área, melhor ainda.

Investir em previdência privada

Mas se a intenção é realmente levar a sério a frase “até que a morte os separe” nada mais indicado do que investir em um plano de previdência privada. Essa é uma opção não só lucrativa, como representa uma chance de unir os cônjuges em uma meta de casal comum para o resto da vida.

E para saber mais sobre a aposentadoria complementar, lembre-se: a sua melhor fonte de informação é o blog Sua Previdência Privada, feito para pessoas como você, que pensam à frente.

Hacks de produtividade

Os hacks de produtividade são práticas muito úteis em meio às rotinas corridas. Isso porque o tempo parece ser um recurso cada vez mais escasso, o que ressalta a importância de saber gerenciá-lo com sabedoria.

No entanto, embora essas técnicas sejam voltadas a aumentar a capacidade produtiva individual, a finalidade da sua aplicação não é transformar a pessoa em uma máquina de trabalhar.

Afinal, se até o homem mais rico do mundo, o CEO da Amazon, Jeff Bezos, consegue dormir oito horas por dia, é sinal de que ninguém precisa deixar de ser humano para prosperar.

Continue por aqui e saiba como equilibrar a sua vida, começando pela organização das suas rotinas diárias. Boa leitura!

Hacks de produtividade: o que isso significa?

A palavra “hack”, em uma tradução livre, pode ser interpretada como “truque” ou “manha”. Quando surgiu, o termo era usado de forma depreciativa, relacionando-se principalmente às pessoas que usavam seu conhecimento em programação e segurança de dados para cometer crimes no ambiente digital (os hackers).

Depois, a palavra passou a dizer respeito aos profissionais da área de TI que interpretavam a linguagem e os códigos computacionais. Por fim, “hack” passou a ser aplicado a qualquer pessoa que usa os seus conhecimentos para facilitar as atividades rotineiras.

Ou seja, quando associado à produtividade, o termo significa truques que servem para fazer o dia render mais, com uma distribuição mais racional das tarefas e do próprio descanso.

Por que apostar em hacks de produtividade?

O fato incontestável é que o dia tem 24 horas para todo mundo. Então, por que há pessoas que são mais produtivas que outras? Uma das muitas respostas possíveis para explicar isso é o uso inteligente do tempo.

Pessoas produtivas aprenderam que precisam distribuir as tarefas de forma criteriosa ao longo do dia. Caso contrário, podem acabar não fazendo nada ou rendendo menos do que deveriam.

6 hacks de produtividade para começar hoje

A falta de produtividade certamente não é uma condição desejável, ainda mais para quem trabalha por conta própria ou gerencia uma empresa. Felizmente, aplicando os hacks de produtividade que você conhecerá agora, dá para trabalhar bem e ainda sobrar tempo para o estudo, o lazer e o descanso. Vamos lá?

1. Use o método Pomodoro

Como já dizia a propaganda do extinto Banco Bamerindus, “o tempo passa, o tempo voa”. A partir dessa verdade inquestionável, resta saber o que queremos que a passagem do tempo traga para nós. Por isso, uma das melhores formas de garantir que ele será bem aproveitado é o célebre método Pomodoro.

A técnica consiste em listar as tarefas a serem realizadas ao longo de um dia e fracionar o tempo em blocos de 25 minutos, os “Pomodoros”. A cada período finalizado, você deverá descansar outros 5 minutos.

Se algo interromper o que estiver fazendo, registre o motivo da interrupção e volte imediatamente até que os 25 minutos se esgotem. No fim do dia, revise o que aconteceu e vá fazendo ajustes conforme os seus registros apontarem.

2. Habitue-se a programar seus dias, semanas e meses

O método Pomodoro é útil não só porque ajuda a controlar o tempo com mais precisão.  Um dos seus muitos pontos positivos é que ele representa uma oportunidade para tratar o tempo de uma forma mais saudável.

Afinal, quando não se gerencia o tempo, a tendência é pensar nele sempre como algo amplo demais para ser controlado. Assim sendo, a melhor maneira de estabelecer uma relação amigável com o relógio e o calendário é se programar por dia e, a partir disso, por semana e por mês.

3. Defina seu dia por prioridades

Pessoas atarefadas demais sabem melhor do que qualquer um que o tempo é um bem muito precioso para ser desperdiçado.

As que conseguem dar conta do recado, normalmente o administram com uma estratégia simples: elas “atacam” primeiro as tarefas prioritárias. Essa é uma excelente forma de ver o dia render mais, já que a sensação de urgência pode até mesmo distorcer a noção que temos de tempo.

E se não tiver nada urgente para resolver, priorize tarefas mais difíceis, trabalhosas ou que normalmente você deixaria para depois.

4. Respeite o seu descanso

No começo deste conteúdo, destacamos que os hacks de produtividade não são para transformar pessoas em máquinas.  Desse modo, para se manter produtivo, respeite a sua condição humana e procure descansar.

Note que, por descanso, estamos tratando do ato de não fazer nenhuma atividade demasiadamente exaustiva ou que exija esforço mental. Sendo assim, para aproveitar bem suas pausas, tente dormir, meditar ou fazer algo que realmente seja relaxante e renove suas energias.

5. Seja equilibrado em todos os aspectos

A produtividade está associada ao trabalho, mas, acima de tudo, ao equilíbrio. Não há pessoas produtivas que comam, bebam, durmam, descansem ou se divirtam em excesso. Isso vale também para o trabalho, que deve ser realizado no tempo certo.

Quando a balança entre produção e ociosidade está em equilíbrio, temos, então, a condição ideal para ser mais produtivo.

6. Evite a “gestão da procrastinação”

Em alguns casos, a utilização de métodos de controle pode nos levar a uma certa acomodação. “Estou registrando meu tempo e definindo o que fazer, então está tudo bem se deixar isso aqui para depois”.

Portanto, tenha nos hacks de produtividade apenas uma referência. Quem faz o trabalho de verdade é você.

Com essas dicas, temos certeza de que dias mais produtivos e cheios de realizações virão por aí. Não deixe de acompanhar o blog Sua Previdência Privada para fazer muito mais com o seu dinheiro e educar-se também no âmbito financeiro.

Felicidade: o que é e como chegar até ela

03/06/2020 | Previdência | Nenhum comentário

Felicidade

Mesmo que o conceito de felicidade seja relativo, é inegável que todos buscam a própria realização, seja o que for que isso signifique para a pessoa.

Ao menos, esse é – ou deveria ser – o objetivo de vida de cada ser humano. Afinal, a felicidade, independentemente da definição que tenha para você, é o estímulo que temos para ir em busca das nossas aspirações pessoais e profissionais.

Encontre o seu sentido para felicidade e saiba como chegar até ela com a ajuda deste texto, que traz dicas e reflexões sobre o assunto. Boa leitura!

O que é felicidade, afinal?

Como já foi dito, responder o que é felicidade é relativo. Se, para você, esse sentimento pode ter a ver com a conquista de bens materiais, como a compra da casa própria ou do carro do ano, para outra pessoa, o significado pode estar relacionado à construção de boas relações pessoais, à saúde e ao bem-estar de familiares e amigos.

Seja como for, o conceito está intimamente ligado a tudo aquilo que faz bem à pessoa. Também tem relação com a ideia de realização, sucesso e equilíbrio.

É importante ressaltar que não existe um indicador para medir a felicidade, que diz qual definição é a mais correta e se há alguma que é melhor que a outra. Todos os ideais de satisfação precisam ser respeitados, pois são legítimos e dizem respeito ao que cada um sente.

Por que perseguir a felicidade?

Não importa qual seja o seu entendimento de felicidade. O fundamental é que, de uma forma ou de outra, ela traz sentimentos bons a você.

E tudo o que precisamos na vida são estímulos positivos. Perseguir o sucesso, a realização ou qualquer que seja o nome que você deseje dar, deve ser uma meta. Pois, acima de tudo, felicidade é um estado de espírito, que serve de combustível para a conquista dos nossos sonhos.

Uma famosa frase, atribuída a Mahatma Gandhi, exemplifica bem o que estamos querendo dizer: “Não existe caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho”.

A felicidade em várias áreas da vida

Assim como existem diferentes definições para felicidade, atingir esse status também pode ter significados distintos, dependendo da área da vida em questão.

Por exemplo, na esfera financeira, o sentimento de realização pode ter a ver com a manutenção do padrão de vida, a conquista da tão sonhada independência econômica ou, ainda, o cumprimento de uma meta, graças à disciplina na capacidade de poupar.

No campo profissional, a felicidade pode querer dizer um aumento salarial, uma promoção ou simplesmente o sucesso de um novo projeto.

Já no âmbito pessoal, a definição pode estar relacionada às mudanças de hábitos ruins e à obtenção de resultados positivos, como uma melhora na saúde a partir de uma alimentação balanceada, aliada à prática regular de atividades físicas.

Em todos os casos, no entanto, observamos algo em comum: a felicidade está direta ou indiretamente ligada à qualidade de vida.

Como alcançar a sua felicidade?

Portanto, se você deseja alcançar a sua felicidade, ir em busca da qualidade de vida pode ser o caminho. Separamos 4 dicas para conquistar a realização em diferentes áreas. Confira!

1. Elimine hábitos ruins

Nas áreas financeira, profissional e particular, sempre existirão costumes maléficos que nos afastarão da nossa felicidade.

Pode ser um gasto desnecessário ali, uma tomada de decisão equivocada aqui ou até um hábito nocivo já arraigado em nossa rotina. Seja como for, essas práticas ruins precisam ser eliminadas o mais rápido possível.

2. Estabeleça metas

A felicidade, muitas vezes, está nas pequenas coisas. No entanto, para desfrutar dela, você precisa investir em autoconhecimento, para descobrir o que lhe traz esse sentimento de realização.

Ao estabelecer metas reais e alcançáveis, você garante o estímulo necessário para ir em busca do que, de fato, são suas prioridades. Assim, consequentemente, estará mais próximo do sucesso.

3. Mude a sua relação com o seu dinheiro

Ainda que o dinheiro não compre, necessariamente, a felicidade, é inegável que ele funciona como um grande facilitador de sonhos. Por isso, é vital tê-lo como um aliado, e não como um vilão. Gaste menos, poupe certo e invista bem. Esse deve ser o seu lema daqui para frente.

4. Garanta um futuro tranquilo

A sua preocupação com a felicidade não deve ser apenas imediata. Pensar em longo prazo e buscar garantir um futuro seguro e tranquilo para você e sua família também precisa ser uma prioridade.

Por isso, uma boa estratégia para não ter que abrir mão do seu padrão de vida é contratar um plano de previdência privada. Estamos falando de um investimento altamente rentável e muito simples, que está ao alcance de qualquer um.

Para saber mais sobre a modalidade, acesse a Sua Previdência Privada, tire suas dúvidas e tenha acesso a um suporte especializado.

Aqui, em nosso blog, você confere conteúdos exclusivos que vão oferecer todas as informações necessárias para que você possa investir no seu futuro sem medo e continuar, permanentemente, em busca da sua felicidade.

Trabalhabilidade

A trabalhabilidade é a mais recente resposta aos desafios atuais e futuros do mercado de trabalho. Ela pode ser entendida como uma evolução de um outro conceito que, aos poucos, vai ficando ultrapassado: a empregabilidade, de acordo com a qual um profissional bem qualificado tem mais chances de conseguir um emprego.

Já na trabalhabilidade, o foco é ampliado, o que faz dela um requisito um pouco mais complexo de se conquistar. Em contrapartida, é um processo muito mais estimulante e que, uma vez dominado, coloca o profissional em um outro patamar em relação à média do mercado.

Sendo assim, veja ao longo deste conteúdo o que você precisa fazer para ter mais esse diferencial.

Trabalhabilidade: o que é?

Mudança de paradigma é o termo que melhor resume o significado de trabalhabilidade. Nesse caso, e a exemplo de outros movimentos de grande impacto social, ela acontece muito em função de novos posicionamentos e pesquisas de órgãos oficiais.

Dessa forma, o “marco zero” do conceito de trabalhabilidade é um estudo realizado pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL). De acordo com o levantamento, 65% das crianças matriculadas no ensino fundamental em todo o mundo hoje trabalharão em empregos que ainda não existem.

Considerando esse quadro surpreendente, nasce a ideia de trabalhabilidade como a capacidade a ser desenvolvida nesse novo contexto.

Embora pareça assustador, na verdade, não há com o que se preocupar. Isso porque o surgimento dessa nova abordagem só confirma algo que já acontece no mercado de trabalho. Ou seja, a trabalhabilidade é o “produto” que nasce de um cenário cada vez mais volátil, incerto, complexo e ambíguo, conforme o conceito VUCA World.

Diferenças entre trabalhabilidade e empregabilidade          

Já que estamos imersos em uma realidade que não é linear ou tão simples de se entender, é natural que conceitos há muito estabelecidos sejam renovados. Por isso, a trabalhabilidade também pode ser compreendida como a evolução da empregabilidade, da qual falamos na introdução.

A diferença principal está na concepção de emprego. Pelo viés da empregabilidade, as pessoas se preparam para ter bons cargos e permanecer em funções relativamente estáveis e com chances de progressão na carreira.

A trabalhabilidade já diz outra coisa. De acordo com essa nova abordagem, não é o emprego que importa, mas a realização profissional e a relevância dos projetos.

Podemos, então, compará-las da seguinte forma:

EmpregabilidadeTrabalhabilidade
Emprego Projetos
CarreiraAperfeiçoamento
CurrículoPortfólio
EstabilidadeAvanço contínuo
FormaçãoHabilidades e competências
Ganhar dinheiroDar contribuições à sociedade

O que caracteriza a trabalhabilidade?

Um ponto marcante que também caracteriza esse conceito como um avanço é que, nele, a ideia de valor ganha uma nova dimensão.

No mercado de trabalho tradicional, o valor é visto mais como um pano de fundo, no qual empresas e profissionais baseiam suas atividades de forma mais subjetiva.

A partir da trabalhabilidade, empregos e funções são definidos não só pelo salário, benefícios e questões materiais, mas pelo seu impacto social e valor que produzem.

Por outro lado, isso não significa que ganhar dinheiro deixou de ser importante. A novidade é que, antes disso, são priorizadas as aspirações pessoais e de que forma um projeto ou emprego contribui para a comunidade em que está inserido. Esse é o grande fator motivacional nesse movimento que começa a ganhar corpo.

Benefícios da trabalhabilidade      

Outro traço interessante é que, embora pareça uma maneira de se posicionar desapegada demais, a trabalhabilidade carrega consigo um forte componente de responsabilidade social.

Ou seja, quem pauta a trajetória profissional por seus princípios tende a enxergar o que faz não apenas como um sustento, mas como uma chance de prestar um serviço. Então, ela vem a ser uma mudança positiva, já que coloca as coletividades em primeiro plano.

Claro que o talento individual continua a ser valorizado, mas agora ele passa a atuar em prol de causas mais nobres. Se a ideia parece atraente, veja, na sequência, como fazer para entrar nessa onda que veio para ficar.

Como melhorar sua trabalhabilidade?

Vale também destacar que continuam a valer práticas e processos conhecidos para se conquistar bons empregos. Sendo assim, é fundamental adquirir formação acadêmica, fazer cursos e acumular competências formais.

No entanto, a trabalhabilidade só vem a ser adquirida quando, além disso, são colocadas em prática dicas como as quais você verá na sequência.

Leia sobre tudo que puder

Em um contexto complexo, não se pode esperar bons resultados na carreira e no trabalho sem uma visão ampla. Portanto, o bom e velho hábito de leitura continua a ser uma das melhores ferramentas para quem pretende se destacar e expandir os horizontes.

Faça cursos de outras áreas

O mesmo vale para o aspecto da formação. Como os empregos passarão a surgir e desaparecer em um ritmo muito mais acelerado, não se pode esperar que apenas uma especialidade garanta oportunidades.

Converse com profissionais de diferentes setores

Também vale apostar no relacionamento como forma de acumular conhecimento e novas experiências. A partir disso, procure estar sempre em contato com pessoas que trabalham em diferentes segmentos para acumular know-how em áreas variadas.

Aprenda idiomas

Em um cenário tão diversificado como o da trabalhabilidade, o aprendizado de idiomas torna-se ainda mais essencial. Primeiramente, porque desde sempre o aprendizado de novas línguas abre portas.

Não menos importante, comunicar-se nesta nova realidade global e multifacetada exige fluência, pelo menos, em inglês. Por isso, não deixe de investir no aprendizado desse idioma para ser um profissional diferenciado.

Outra dica que temos para finalizar é manter-se sempre atento ao mercado financeiro, e a não descuidar do planejamento em vista de um futuro melhor.

Para isso, continue acompanhando os conteúdos do blog Sua Previdência Privada para fazer mais com o seu dinheiro.