Brasilprev vale a pena? Descubra em 4 critérios

Home / Brasilprev vale a pena? Descubra em 4 critérios

Brasilprev

Será que a Brasilprev vale a pena como investimento de longo prazo? Para responder a essa pergunta, você precisa avaliar em detalhes os fundos de previdência privada do Banco do Brasil.

Mas, para isso, não basta olhar para o desempenho dos fundos: é preciso analisar aspectos como custos, condições de acumulação e recebimento, tributação, composição da carteira, entre outros critérios essenciais. Antes de contratar um plano de previdência privada, é importante estar familiarizado com esses conceitos.

Siga, então, os próximos tópicos deste artigo e descubra se a Brasilprev vale a pena para o seu futuro.

Como são os fundos de previdência da Brasilprev

Para saber se a Brasilprev vale a pena, é importante conhecer os fundos de previdência privada minuciosamente s. A seguradora do Banco do Brasil oferece diversas opções de planos individuais, infantis e empresariais, que atendem aos diferentes perfis de investidores (conservador, moderado e arrojado).

Como toda previdência privada, eles são fundos de investimento de longo prazo que permitem ao investidor fazer aportes regulares na fase de acumulação e receber o benefício no futuro , na etapa de usufruto. Dessa forma, possibilitam a formação de uma reserva financeira para que projetos de médio e longo prazo sejam concretizados, como a independência financeira e uma aposentadoria tranquila. A Brasilprev oferece planos do tipo VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) e PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), que podem ser contratados pelo regime de tributação progressivo ou regressivo. Além disso, oferece diferentesformas de recebimento do patrimônio acumulado, de acordo com os objetivos do investidor.

Como descobrir se a Brasilprev vale a pena

Avaliar características como taxas, composição de carteira e opções de renda dos fundos previdenciários são algumas maneiras  para entender se a Brasilprev vale a pena para você. Confira os principais critérios para  análise:

1. Taxas

As taxas são um critério essencial para determinar se a Brasilprev vale a pena, pois custos muito altos podem comprometer a rentabilidade da previdência privada. No site, a seguradora informa que não cobra taxa de carregamento, que é uma porcentagem descontada das movimentações realizadas no fundo (aportes e retiradas).

No regulamento dos fundos da Brasilprev, consta que “não há cobrança de taxas de custódia, de performance, de ingresso ou de saída”. Logo, a única tarifa  cobrada pela instituição é a taxa de administração, referente à gestão dos fundos de previdência privada. Em 2020, essa taxa varia entre 0,6% e 2% — intervalo compatível com a média do mercado.

2. Composição da carteira

O segundo critério a ser avaliado é a composição da carteira dos fundos da Brasilprev. Ouseja,  a combinação de ativos e estratégias de investimentos utilizadas em cada produto. A seguradora oferece três principais tipos de fundos:

  • Renda fixa: os fundos de renda fixa da Brasilprev são voltados aos investidores de perfil conservador, que preferem não correr riscos. São compostos por títulos públicos e privados com leve flutuação no curto prazo e alta segurança;
  • Ciclos de vida: são fundos previdenciários que se ajustam ao longo do tempo, começando com mais presença na renda variável e fortalecendo a renda fixa conforme se aproximam da data de saída (proteção do patrimônio na reta final);
  • Multimercado: são fundos para investidores mais arrojados que desejam retornos maiores e são mais tolerantes ao risco e à volatilidade, incluindo entre 20% e 49% de ativos de renda variável (câmbio e ações, por exemplo).

Assim, a Brasilprev garante opções diversificadas para todos os perfis de investidores e com diferentes graus de risco, retorno e volatilidade. Para entender o desempenho dos fundos, basta acessar a seção de Fundos e rentabilidade.

3. Tributação

Em relação à tributação, os fundos Brasilprev oferecem as duas opções padronizadas dos planos de previdência:

  • Tabela regressiva: é o regime em que as alíquotas do IR (Imposto de Renda) diminuem conforme o tempo da aplicação, começando em 35% para aplicações mantidas por, pelo menos, dois  anos,  chegando a 10% para as que têm acima de 10 anos;
  • Tabela progressiva: é o regime que tributa a previdência com base na tabela progressiva geral (a mesma aplicada aos salários e às aposentadorias), que começa em 7,5% e chega a 27,5% conforme o valor resgatado.

Lembrando que o modelo PGBL permite dedução de até 12% da base de cálculo na declaração do IR anual, mas incide o imposto sobre o valor total aplicado no plano. Já o VGBL não tem esse desconto, mas cobra o imposto apenas sobre rendimentos.

4. Formas de recebimento

Por fim, é preciso analisar as formas de recebimento da Brasilprev, que definem como você irá receber o benefício ao final do período de acumulação. As opções são:

  • Pagamento único: resgate do montante acumulado de uma só vez;
  • Renda por prazo certo: você escolhe por quantos anos quer receber uma renda mensal corrigida pela inflação;
  • Renda vitalícia: você garante uma renda mensal corrigida pela inflação para o resto da vida.

Vale a pena comparar Brasilprev com outros fundos?

Claro. Ao comparar o plano de previdência do BB com as opções do mercado , é possível escolher o mais vantajoso para os seus objetivos de vida — seja uma aposentadoria confortável ou um sonho de consumo futuro.

Para tomar a melhor decisão para construir seu patrimônio, acompanhe nosso conteúdo e entenda qual previdência privada se encaixa melhor no seu projeto de vida.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.