Benefício fiscal na previdência privada: como funciona

Home / Benefício fiscal na previdência privada: como funciona

Quer saber como funciona o benefício fiscal na previdência privada e como ele aumenta a rentabilidade do investimento?

Ter domínio sobre esse tema é fundamental na hora de fazer aplicações financeiras para o longo prazo.

Afinal, faz toda diferença no valor que você paga de Imposto de Renda e, depois, no resultado de todos os seus esforços e aportes ao longo do tempo.

E, apesar de parecer confuso de início, entender e calcular o benefício fiscal na previdência privada não é difícil.

Para ampliar a sua compreensão, siga com a leitura e descubra como funciona esse mecanismo e como você pode aproveitá-lo para tomar suas decisões de investimento para a aposentadoria.

O que é benefício fiscal

Benefício fiscal é uma vantagem proporcionada por lei ou norma relativa à tributação em determinados casos. Então, ele pode ser compreendido como uma redução ou eliminação do pagamento de um tributo.

É o que acontece em relação a empresas, por exemplo: a administração pública concede vantagens que reduzem o valor que elas devem pagar de tributos a fim de estimular o desenvolvimento dos negócios e, consequentemente, da economia.

Conforme veremos no próximo tópico, a previdência privada é um investimento que também recebe benefício fiscal, diminuindo os custos do investidor ao fazer aplicações.

Benefício fiscal na previdência privada 

A previdência privada é um investimento de longo prazo que oferece um benefício fiscal relevante para o investidor. A partir dos tópicos a seguir, descubra como funciona:

Dedução de IR no PGBL

A grande vantagem da previdência privada é que o investidor pode deduzir o dinheiro investido na declaração de Imposto de Renda.

Então, na prática, é possível ter acesso a uma restituição maior e reduzir os custos do investimento.

Para ter acesso à restituição, o investidor deve escolher a modalidade PGBL, o Plano Gerador de Benefícios Livres.

Nele, quem faz a declaração de IR anual completa pode somar os valores dos aportes ao longo do ano e fazer a dedução. O limite desse abatimento é de até 12% do rendimento bruto tributável.

Justamente por isso, esse plano de previdência é indicado também para quem tem uma renda bruta suficiente para absorver o desconto de 12%.

Com o benefício fiscal, portanto, o investidor paga menos impostos. E aí, pode até mesmo usar o valor que seria destinado ao Leão para fazer novos aportes na previdência privada.

Acredite: no longo prazo, esses aportes adicionais na previdência fazem uma diferença significativa na rentabilidade do seu investimento. 

Alíquota regressiva

Outra característica da previdência privada que pode ser considerada um benefício fiscal é a alíquota cobrada no resgate do investimento para aplicações de longo prazo.

Para usufruir dessa vantagem, o investidor deve escolher o modelo tributário regressivo

Nele, quanto maior é o tempo da aplicação, menor é a alíquota de Imposto de Renda cobrada ao investidor no recebimento da renda.

As alíquotas são as seguintes:

  • Até 2 anos: 35%
  • De 2 a 4 anos: 30%
  • De 4 a 6 anos: 25%
  • De 6 a 8 anos: 20%
  • De 8 a 10 anos: 15%
  • Acima de 10 anos: 10%.

Considerando que a previdência privada é um investimento de longo prazo, se você manter as aplicações por menos dez anos, vai pagar somente 10% referente ao IR.

Trata-se da menor alíquota cobrada em qualquer tipo de investimento  — um dos motivos pelos quais a previdência privada é tão atrativa.

Benefício fiscal e a rentabilidade na previdência privada 

Com os dois benefícios fiscais que você descobriu agora, o impacto positivo na rentabilidade da previdência privada é significativo para quem investe. 

Vamos a um exemplo hipotético para compreender melhor como funciona essa dinâmica na prática.

Suponha que você tenha uma renda anual de R$ 50 mil e invista em previdência privada no plano PGBL

Para alcançar o limite de 12% da restituição no IR, você precisa investir R$ 6 mil por ano em previdência privada.

Descontando esse valor, a sua base de cálculo do IR, então, passa de R$ 50 mil para R$ 44 mil. Uma vez que a renda anual é de R$ 50 mil, a alíquota cobrada será de 22,5%.

Então, a alíquota de IR a ser paga é R$ 9.900. 

Sem o investimento em previdência e a restituição, você precisaria pagar R$ 11.250  — representando uma economia de R$ 1.350, valor que poderia ser aplicado no fundo de investimento.

Já a rentabilidade da previdência privada varia conforme os fundos de investimento em que os aportes são aplicados.

Entre as vantagens, está o fato de não haver come-cotas na modalidade, garantindo uma rentabilidade interessante para o investidor.

Se manter o investimento por mais de 10 anos e optar pela tributação regressiva no PGBL, você pagará somente 10% sobre o retorno do investimento.

E aí, ficou mais claro o funcionamento do benefício fiscal na previdência privada e como ele aumenta a rentabilidade? Se tiver dúvidas, deixe nos comentários abaixo.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.